3 de Como no céu
                  3 de Livro de visitas
                                                                      fabrício carpinejar

 

 

 

 

Minha mulher, teus olhos, teus óleos,
teu jeito de me abençoar com os seios.
Dá-me a estrada entre a cama e os teus joelhos.
Tuas pernas abertas em minhas pernas fechadas,
tuas pernas fechadas em minhas pernas abertas.
Não devolveremos o espaço que criamos,
não há retorno aos limites.
Tampouco poderei escrever sobre tua letra.

 

 

 

 

As cartas de amor
deveriam ser fechadas
com a língua.
Beijadas antes de enviadas.
Sopradas. Respiradas.
O esforço do pulmão
capturado pelo envelope,
a letra tremendo
como uma pálpebra.
Não a cola isenta, neutra,
mas a espuma, a gentileza,
a gripe, o contágio.
Porque a saliva
acalma um machucado.

As cartas de amor
deveriam ser abertas
com os dentes.

 

 

 

 

Corrias entre lápides e ciprestes,
derrubando bules e flores.
O cemitério foi teu terreno baldio,
tua casinha na árvore.
Investigava os dizeres
dos velhos túmulos,
Interessada nas inscrições
como anúncios de emprego.

Deitava as bonecas nas camas de pedra.
Preparava chá e bolachas de folhas.
Dessa lembrança
decorre a tua indecisão
de escolher o epíteto
e os nomes das filhas.

 

 

 

 

Já me viste rindo
nas fotografias?
Não adianta rever.
Sou mais fotogênico
na tristeza.

 

 

 

 

A lembrança mais remota é a mais alegre.
Andava menino nos varais baixos, as camisas molhadas
batendo em minha testa. O olfato da lã, os dedos do ar, o pomar
da lâmpada. Corria de um lado a outro, pulando as páginas,
mais roupa do que peso. Meus cabelos, o teto do fogo.

 

 

 

 

Influenciável, tremendamente influenciável.
Tudo o que não foi dito me influencia.
Um homem secando o suor com lenço
me influencia.
Uma mulher catando os anéis das latas
me influencia.
Um cão seguindo o cavalo
me influencia.

 

 

 

Carpinejar, Fabrício Carpi Nejar, poeta e jornalista, mestre em Literatura Brasileira pela UFRGS. Nasceu em Caxias do Sul-RS em 1972. É autor dos livros: As Solas do Sol (Bertrand Brasil, 1998); Um Terno de Pássaros ao Sul (Escrituras Editora, 2000), objeto de referência no The Book of the Year 2001 da Enciclopédia Britânica; Terceira Sede (Escrituras, 2001); Biografia de uma árvore (Escrituras, 2002); Caixa de Sapatos (Companhia das Letras, 2003); Cinco Marias (Bertrand Brasil, 2004); Como no Céu e Livro de Visitas (Bertrand Brasil, 2005).

 

;:;;

;;:

+ LITERATURA

  ]  poesia  ]  Angel Cabeza  ]  Fabrício Carpinejar  José Aloise Bahia  Léo Mackellene  Marc-Olivier Zimmermann  ]
Solange Rebuzzi

  (  conto  (  Carlos Emílio Corrêa Lima  (
Danielle Stéphane  Miguel Carneiro  (    Nilto Maciel  Raymundo Silveira  (
Rosel Ulisses  Tania Alice Feix

 

ADJACÊNCIAS

§  memento  §
 §  Cordeiro de Andrade por Dênis Melo
 §  Luiz Gama por José Arrabal

}  artigos  }
Daniel Glaydson desavessa canonices
Léo Mackellene silencia os revolucionários
Nete Benevides desperta mulheres de Ibsen
Soares Feitosa ecologiza anjos augustianos

 

:;;

;;:;

.: editorial :

 Bonfim                    Glaydson                      Pimenta

.: contato .

 famigerado@famigerado.com