quatro poemas,
    uma praça
                       ivaldo ribeiro filho

 

 

              Devora
                                                  


Rumina

Baba
na delícia
do desejo



Tenta devorar
Secar a paisagem dela

De longe
Cheio de olhos
Semi-áridos



Na bruta
Vontade de libertá-la

De rasgar todas
as suas cascas
cercas



Depois
Arreganha a boca

Volta
A comer o pasto
Pelas beiradas



Mastiga
De novo

Como irá
Conseguir findar
Aquele verde

 

 

 


             Porquê, eu não sei
                                           _________   _______                 

minha dor
é uma montanha

rochosa
um monte branco um

himalaia
um kilimanjaro um Andes
um aconcágua

um kihlauea em chamas

também um pão
de açúcar
um pico

da neblina
um fuji nos alpes
italianos um olimpo

em
guaramiranga

minha dor
chapada do araripe
serra
grande

 

 

 


                                 Através
                                                                             

num canto do quarto,
à direita
sentado

repensando & repensando
o mesmo encosto
que suporta
o mundo

vendo revendo
novas tramas
que foram se desfiando
ao longo
da vida
já velho
sem aquela tintura
de antes

o sofá – singelo –
recostado
na pequena parede
que foi branca
um dia

em silêncio,
procurando forças

para sustentar
o tecido

 

 

 

 

                            Conto
                                  ________                


                                                                  Cal ça das
perseguem
esquinas

                                                                  Pos tes

barram
a passagem

                                                                  Pis tas

avançam

sobre o meio
fio

                                                                  Alguém

segue
perdido

                                                                  S e m

nin guém
                                                                  ao lado

 

 

 

             

 

Ivaldo Ribeiro Filho (1974) é letrista, contista e poeta. Nasceu no Piauí e mora há mais de quinze anos no Ceará. Autor de O chão visitado, No intuito de nenhuma via e Cruviana.

 

;:;;

;;:

 +

¡  tradução  ¡
¡  Bukowski e Ungaretti por J. T. Parreira  ¡
¡  Eugène Ionesco por Geraldo Lima  ¡
¡  Guy de Maupassant por Amilcar Bettega  ¡
¡  Jüri Talvet por Daniel Glaydson  ¡
¡  Walt Whitman por Luis Benítez  ¡
]  poesia  ]

]  Daniel Faria  Ivaldo Ribeiro Filho  ]
]   José Inácio Vieira de Melo  ]
Marc-Olivier Zimmermann  ]
]  Mario Meléndez  Ricardo Corona  ]
 

}  artigos  }
}}
} André Monteiro caça um método-outro }
} Elisa Rodrigues Moreira
senta entre tela e livro }
} Elisalene Alves equilibra-se em farpas }
} Joca Wolff e Antonio Cicero lêem corpos sutis }
} Nilson Oliveira agencia pensamentos-outros }
} Samara Inácio habita tragédias burguesas }
} Solange Rebuzzi analisa Milton Hatoum }
} Thierry Tremouroux sacrifica pedras, homens, etc }
              }}
 

:;;

;;:;

.: editorial  :

  Alice_mg ; Arrabal_sp ; Glaydson_ce

.: cont@to  .

  comunid@de :