40 Dias
                                                  daniel faria

 

 

Durante 40 dias houve o dilúvio sobre a terra

 

                              1. O escudo de Aquiles,
                                  PanAmérica XXI

                                                                                                                         


                                     bustrofédon
                                     escrevendo pra apagar
                                     os rastros
                                     alastrando rasuras
                                     sobre um escudo
                                                 (ao centro o Oito-Olhos,
                                                 depois eremitas e seus palimpsestos,
                                                 coqueiros bidimensionais,
                                                 e um lago de águas paradas,
                                                 no círculo seguinte alto-falantes
                                                 e cidadãos deitados em divãs psicanalíticos.
                                                 no último círculo satélites
                                                 antenas parabólicas
                                                 e o sol em cores primárias
                                                 sustentado por mãos invisíveis
                                                 de unhas vermelhas reluzentes)

                                     escrevendo à navalha no escudo
                                     no escud
                                                            no scud
                                                                       no scuro
                                     no escuro

 

 

 


2. Vá de retrato
                      ___   _______                 

O que temos?

nós que, não sobrevivemos,
mas vivemos do dilúvio.

no espelho verde-irônico, contra o sol vermelho,
a arca descomunal e seu capitão:

cabra-velha parida não sei onde
cara de anjo pinto de marmanjo
a mula que cagava dinheiro

na mão direita uma pomba,
na mão esquerda um corvo e a letra B

e os 7 pares de bactérias homicidas.

deus, alá, satã ou jeová
quem criou a desmesura deste leviatã?

 

 

 


3. Guerra Total em Estilhaços
                                                                                                  

Nada escapa ao que jamais mergulha,
à maresia,
à invasão de Mar & Cia
no litoral.

a semprevigilante
câmera de oito-olhos de sal
carcome o que cerca,
a boca insone
mastiga tudo o que se cria
em matéria de coisa durável

desde que o mundo é mundo
do cetro contabilista de Posêidon
ao panóptico do mar
o tempo maresia,

maresia o ferro de passar roupa
e a sede em tua boca
os cetros de metal
e as lentes de leviatã
as cercas de arame farpado
e os bólidos de Baal
a descomunal arca de aço
e os 7 casais de sereias holográficas.

nos braços de novos poetas românticos
a ferrugem aparece como tatuagem
em traços que lembram corvos ou pombas,
eflúvios oceânicos em seus olhos de sal.

os comedores de bandeiras
são ainda mais letais
com as ambivalentes dentaduras
da maresia em desmesura.

 

 

 

 

4. Sem ramos de oliveira
                                 ________                


a invasão de Mar & Cia no litoral,
prolonga-se além dos esperados
150 dias
os pássaros não têm mais onde pousar:

indefinidamente,
seremos feras submarinas.

 

 

 

             

 

Daniel Faria, nascido em Brasília no ano de 1976, é historiador. Os poemas aqui apresentados fazem parte de um projeto em fase de criação, provisoriamente denominado Vertigem de Vestígios. Sua tese, O Mito Modernista, deve ser publicada até o final deste ano.

 

;:;;

;;:

 +

¡  tradução  ¡
¡  Bukowski e Ungaretti por J. T. Parreira  ¡
¡  Eugène Ionesco por Geraldo Lima  ¡
¡  Guy de Maupassant por Amilcar Bettega  ¡
¡  Jüri Talvet por Daniel Glaydson  ¡
¡  Walt Whitman por Luis Benítez  ¡
]  poesia  ]

]  Daniel Faria  Ivaldo Ribeiro Filho  ]
]   José Inácio Vieira de Melo  ]
Marc-Olivier Zimmermann  ]
]  Mario Meléndez  Ricardo Corona  ]
 

}  artigos  }
}}
} André Monteiro caça um método-outro }
} Elisa Rodrigues Moreira
senta entre tela e livro }
} Elisalene Alves equilibra-se em farpas }
} Joca Wolff e Antonio Cicero lêem corpos sutis }
} Nilson Oliveira agencia pensamentos-outros }
} Samara Inácio habita tragédias burguesas }
} Solange Rebuzzi analisa Milton Hatoum }
} Thierry Tremouroux sacrifica pedras, homens, etc }
              }}
 

:;;

;;:;

.: editorial  :

  Alice_mg ; Arrabal_sp ; Glaydson_ce

.: cont@to  .

  comunid@de :