Criança
                       de oito primaveras
               
       geraldo vasconcelos

 

 

                                                            a uma menina morta rodopiando

 

Com os punhos cerrados,
          a solidão entre os dedinhos,
os braços curtos pelo ar crucificados,
indiferente,
incompreendida,
confundida com uma criança
                                  qualquer
                                  e mais uma;
  Criança de oito primaveras,
sobre um cadafalso transparente
    de açúcar e alucinações,
lançava aos ventos,
              às montanhas,
                                 raios-gritos de energia
                                                        de vida;
eram raios azuis, brancos, vermelhos,
                           sem cor,
                                          invisíveis
e ninguém os via; e
entoando lindos cantos em línguas estranhas,
                              em notas altíssimas, belas,
umas de brincadeira, outras de inocência,
mas ninguém percebia.

Sozinha,
              iluminada iluminadora,
              criança & cantora,
  Criança de oito primaveras,
só ela, rodopiava
           desatenta-desnorteada-
           desassistida-desorientada-
           esquecida,
sobre um tapete de energia-floral
                          e o cadafalso do real;
fugia,
fugindo
        ou tentando,
     da chuva acre e azeda
                    que do teto precipitava,
                                       hipócrita e cínica,
                                       aos gritos,
dos chuvosos corações enrugados de seus pais.

Sozinha,
  Criança de oito primaveras,
               rodopiando,
voando sem asas pelo espaço
 tornado-criança-beija-flor,
             dançava no ar,
sobrevoando revoadas de sonhos,
             acenando às gaivotas brancas
                 e às rosas;
voava, ensolarada e potencial,
aquela criança-
             orquídea virgem & pura
                                   purificadora,
sozinha,
desafiava miríades de centúrias romanocidentais
                                   guardiãs da moral e mentira;
e negando os faz-de-conta mais envelhecidos,
 ela
  era
 livre
em seus rodopios-
              bailarinos de pluma.

Sozinha,
  Criança de oito primaveras,
      menininha e adorável,
incorporou o fulgor do passarinho
                                     leve & ligeiro,
   tocou, sem querer e com força,
       acidentalmente, com a ponta dos cabelos,
          a palma do teto do céu,
   acarinhou as suaves vidraças de pó da lua,
   e cuspiu, por brincadeira,
                  no chão quente do sol que era dia...
ssssssssssssssssssssssssss...

Mas a realidade
                    intolerante,
                    irracional &
                    imperdoável,
imoral cafetina de toda mente
                         de toda gente,
por pura vaidade e covardia,
      pelas costas, invejosa e sorrateira,
martelou-lhe a cabecinha de maçã...

                                     Silêncio. O grito.

  Criança de oito primaveras
                                     e um outono.

Logo ficaram todos mais negros,
   e chorou, das chaminés de uma usina de açúcar,
                um decilhão lacrimal de pétalas de saudade
        que, sob chuva, protegiam-se da tempestade
                                                       de negror e intolerância;
ela,
  Criança de oito primaveras,
  xamã-passarinho virgem e puro
                                            purificador,
  mensageira,
levou consigo um cacho de sonhos de esperança,
                                            bem doce,
                       um cálice de ouro de mel de abelha,
        e mais dois sapatinhos de açúcar cristalizado;
levou consigo suas oferendas para lá,
                                               as dimensões perdidas,
                                               esquecidas, incompreendidas,
                                               TEMIDAS & confundidas
                                                                        com idéias infantis
                                                                        de céu e paraíso.

Não.
Não era nada
             nada
             nada disso,
mas ela,
  Criança de oito primaveras,
      sozinha,
      guardava consigo,
      e só ela universal,
a energia divina de oito primaveras
                              e mais constelações de sonhos
                                                              & encantos
                                                    (só eles) capazes
                                                              da Salvação.

E apesar da tontura, foi salva
a criança no olho do rodopio-tornado,
de olhos fechados, de olhos fechados
e coroada de flores de açúcar marfim.

Recife-PE, 30.05.05

 

 

 

             

Geraldo Vasconcelos, nasceu em 1984 na cidade de Jataí-GO. Atualmente reside em Recife-PE. Tem poemas publicados na revista virtual O Caixote, entre outras.

 

;:;;

;;:

+ LITERATURA

  ¡  tradução  ¡  Bashô e cummings : por Paulo de Toledo :  ¡  Ionesco : por Geraldo Lima :  ¡  Zimmermann : por Daniel Glaydson :

  ]  poesia  ]  Fabrício Marques  Geraldo Vasconcelos  Glauco Mattoso  Jovino Machado  Majela Colares  ]  Wilmar Silva
 

ADJACÊNCIAS

}  artigos  }
Carlos Pimenta cava buracos sintéticos
Salomón Valderrama arregla lo que hacer
Tania Alice Feix continua a esperar Godot
£  resenhas  £
£  Ângelo Oliveira sobre Michel Deguy
£  Fabrício Marques sobre José Aloise Bahia

 

:;;

;;:;

.: editorial :

 Bonfim                    Glaydson                      Pimenta

.: contato .

 famigerado@famigerado.com