As aventuras
                        de Carmen Miranda
gilmar de carvalho


 

 

“Cada gota do meu sangue será uma chama imortal à vossa
consciência que manterá viva a vibração sagrada para a resistência”
( Da Carta Testamento de Getúlio Vargas )

 

MONÓLOGO 

Na verdade, eu não sou Carmen Miranda e estou convencido disso. Não passo de um servidor público federal lotado na farmácia do INPS e regido pelo Estatuto dos Funcionários Públicos. Carmen Miranda já era e eu não ligo para reencarnação, encosto e essas coisas de terreiro. Chic mesmo é esse turbante escândalo e esses quilos de balangandãs autênticos. Ah, os eternos problemas de uma maquilagem e essa barba podre cansam a minha beleza. Preciso fazer umas sobrancelhas super-finas e assim bem satânicas. E não esquecer de treinar  bem esses braços. Que tamancolas ridículas! Ainda acabo saindo de sapato fanabô, morto de folclórico e bem baratal. 
 

ELA, A PEQUENA NOTÁVEL 
 

REVISTA DO RÁDIO, junho de 1945, página 4. 

Ao final de sua apresentação no auditório da Rádio Nacional, Carmen Miranda recebeu calorosa homenagem do seu fã clube. A Pequena Notável foi agraciada com diversas faixas: A namorada do Brasil / A rainha do samba /  A mais querida, dentre outras.
           Ao ódio respondo com meu perdão. E aos que pensam que me derrotaram  respondo com a minha vitória. Era escravo do povo e hoje me liberto para a vida eterna. Mas esse povo de quem fui escravo, não será mais escravo de ninguém. 
 

CONFRONTO 

           Carmen Miranda I – você não é Carmen Miranda, nem chega a ser uma imitação.
           Carmen Miranda II – mas eu tenho muito mais charme que você Carmen Miranda I – você é apenas uma dublagem e um destaque de escola de samba.
           No camarin, Carmen Miranda I retocava a maquilagem e dizia frases estranhas em inglês.


PALAVRAS DE ORDEM DO FÃ CLUBE 

           É a maior, é a maior, é a maior.
           E assim por diante. 


FLAHS BACK
 

Carmen Miranda percorria os corredores do Catete envolta numa toalha de banho e desmunhecando bastante, enquanto que no Salão de Despachos, Getúlio Vargas posava a faixa presidencial. Discurso sobre as conquistas operárias, discussão sobre o quantum do mínimo legal. 

GV – Carmen, hoje você canta para os gráficos e para os metalúrgicos.
CM – E também para os têxteis, estivadores e os comerciários.
Para todas as categorias profissionais.
GV – Meu bem, como você está bem! 
 

DEPOIMENTO AO MUSEU DA IMAGEM E DO SOM 

           “Fiz o que pude para bem representar o Brasil e melhorar nossa imagem no exterior.
           E pena que meu museu não tenha sido organizado.”
           Titibum, titibum, titibum. 
 

SAMBA ENREDO 

Do Grêmio Recreativo Escola de Samba Unidos do Kennedy, para o carnaval de 1975: 

Tendo nascido em Portugal / Brasileira de coração /
Aquela sambista sem igual / Elevou bem alto o nome da nação.
Carmen Miranda, uma glória nacional /
Carmen Miranda, sambista sem rival (bis)
Fez do nosso samba uma bandeira / Embaixatriz da arte tropical
Subiu desde logo na carreira / Foi estrela universal.
O que é que a Carmen Miranda tem? O que é que a Cramen Miranda Tem?
Tem o feitiço brasileiro / Tem a cadência do gingado /
Tem o requebro bem ligeiro / Um gosto de bom bocado.
Carmen Miranda, uma glória nacional /
Carmen Miranda, sambista sem rival (bis)
Afilhada do Senhor do Bonfim / Namoradinha do nosso Brasil /
Traz uma figa de guiné e de quindim / Idolatrada e adorada em outras mil. 
 

FIAT LUX 

           Uma bacia com água e sabão e pó. Carmen Miranda faz um turbante com uma toalha de banho : I love Lux because I need to have a fresh skin.
Lux is the symbol of beauty. Every morning and every nighy I wash myself with Lux. You also have to buy yle beste toilet  soap. Lux is prefered by nine among each teem Hollywood  stars.
           Lux, a beleza em forma de carinho. Suave, envolvente, acariciante.
 

FASCÍCULO 

Sua vida publicada em fascículos semanais. A dose homeopática da fama. Luta contra o esquecimento. Epopéia registrada em discos de cera  e recortes de jornais. De uma novela de época. Tailleur Trespassado. Carmen Miranda usa baton Naná e trunfa. Brazilian star.
 

NOTAS E COMENTÁRIOS CRÍTICOS 

           Jurado número um:
           Carmen Miranda, grande figura da nossa música popular. Expoente máximo de uma fase áurea em que o samba começou a ser exportado. Afirmação do Brasil no concerto das nações, com a força de sua cultura mestiça. Nota dez par Carmen Miranda.
           Jurado número dois:
           Começou com Carmen Miranda o prestígio de nossa  música popular no estrangeiro. Prestígio reafiemado por Sérgio Mendes e Tom Jobim. É o samba ultrapassando nossas fronteiras, manifestação autêntica pura, as raízes, etc.

 

EM 78 ROTAÇÕES POR MINUTO 

           “Meu sacrifício ficará para sempre e sua alma e seu sangue serão o preço do meu resgate. Dei-vos a vida; agora ofereço a minha morte. Nada receio, serenamente dou o primeiro passo no caminho da eternidade e saio da vida para entrar na História.”
          
The Voice os América fala em esperanto para as regiões todas. Apenas. As línguas neolatinas derivam de um mesmo tronco (e árvore genealógica) e ancestral comum. Quando da descida do Espírito   (em línguas de fogo), os apóstolos falaram em muitos idiomas. E cada pessoa recebia a mensagem em sua própria língua.
 

NOTA DO AUTOR:

           Comparar com Babel. É antitético e, por conseguinte, dialético. No hit parade da Voz da América, as músicas de Carmen Miranda, nas transmissões em português para o BRAZIL.
           Carmen Miranda é a musa do PTB.

 

 

 

             

Gilmar de Carvalho. Sobral/CE (1949). Formado em Direito (UFC-1971) e Comunicação Social (UFC- 1972). Publicou: Pluralia Tantum – Ficção (Fortaleza, Grecel, 1973); Parábelum – “romance experimental” (Fortaleza, Grecel, 1977); Pequenas Histórias de Crueldade (1985); dentre outros. Desde 1984, é professor do curso de Comunicação Social da UFC. Mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo. Doutor em Comunicação e Semiótica pela PUC – São Paulo. Ganhou o Prêmio Érico Vanucci Mendes, do CNPQ, em 1999, por sua contribuição aos estudos das culturas populares.

 

;:;;

;;:

+ LITERATURA

¡  tradução  ¡
¡  Eugène Ionesco : por Geraldo Lima :
¡  Solange Rebuzzi : por Ana Lía Torre :
¡  Tania Alice Feix : por Daniel Glaydson :

(  prosa  (
André Monteiro  Amilcar Bettega
Carlos Perktold  Geraldo Lima
Gilmar de Carvalho  Pedro Salgueiro
Ronaldo Cagiano  (  Sergio Vilas Boas

ADJACÊNCIAS

}  artigos  }
} André Monteiro antropofagiza Oswald, Chacal, etc
} Cândido Rolim pensa o grau zero dos sentidos
} João Tomaz Parreira ceifa Pessoa e Wordsworth 
} José Aloise Bahia reflete culturas, massas, imagens
} Luiz E. Alves desconfia dos críticos malvados
©  crítica  ©
© Dênis Melo atormenta-se com Alcides Pinto
© Rodrigo Marques lê o último do Bonfim
© Ronald Augusto decifra Joan Brossa

:;;

;;:;

.: editorial :

  Alice                       Bonfim                       Glaydson

.: contato .

 famigerado@famigerado.com