2 pulinhos
                                               para fora do útero
                                        
                        andré monteiro

 

 

 

I

tenho em ti a chaga do meu corpo entorpecido
e
isso ainda não é romantismo

 

II

tenho feito barbaridades oficiais em nome do meu grande amor. ontem, por exemplo, cortei todos os pulsos do meu corpo. eles devem estar chegando por e eu espero que você se bem com eles. não era isso que você queria? e não se preocupe: a embalagem é segura e nada será desperdiçado na travessia. pelo menos, foi isso que os homens da transportadora me disseram. vieram buscar aqui em casa antes do jantar com toda delicadeza do mundo. trabalho fino, sem nojo do sangue derramado e sem a menor necessidade da tradicional gorjeta. não me perguntaram nada sobre o meu grande amor. melhor assim, porque eu não saberia dizer palavra e o meu silêncio certamente não diria tudo. hoje, como conseqüência lógica e cínica, devo receber visitas mortas, inoportunas e familiares, devidamente acompanhadas por um espanto de ocasião. peço a deus que ainda me sobre algum tempo para ir ao bar. de preferência, desconhecido. assim que o material chegar em suas mãos, não se esqueça de aguçar a curiosidade de seu espírito. para concluir, não bastaria dizer que nem sempre o amor é um lugar solitário e triste, ou seja: se você quiser falar comigo, é melhor e é possível que você me ressuscite. ânimo com os meus pulsos. agora eles são seus. com amor, adeus.

 

 

 

             

 

André Monteiro é doutor em Literatura pela PUC-Rio e, desde 2004, é Professor Visitante do Departamento de Literatura da Universidade Federal do Ceará (UFC). Tem dois livros publicados pela Cone Sul (SP): A ruptura do escorpião – Torquato Neto e o mito de marginalidade (ensaio), de 2000, e Ossos do Ócio (poesia reunida), de 2001, ambos esgotados.

 

;:;;

;;:

+ LITERATURA

¡  tradução  ¡
¡  Eugène Ionesco : por Geraldo Lima :
¡  Solange Rebuzzi : por Ana Lía Torre :
¡  Tania Alice Feix : por Daniel Glaydson :

(  prosa  (
André Monteiro  Amilcar Bettega
Carlos Perktold  Geraldo Lima
Gilmar de Carvalho  Pedro Salgueiro
Ronaldo Cagiano  (  Sergio Vilas Boas

ADJACÊNCIAS

}  artigos  }
} André Monteiro antropofagiza Oswald, Chacal, etc
} Cândido Rolim pensa o grau zero dos sentidos
} João Tomaz Parreira ceifa Pessoa e Wordsworth 
} José Aloise Bahia reflete culturas, massas, imagens
} Luiz E. Alves desconfia dos críticos malvados
©  crítica  ©
© Dênis Melo atormenta-se com Alcides Pinto
© Rodrigo Marques lê o último do Bonfim
© Ronald Augusto decifra Joan Brossa

:;;

;;:;

.: editorial :

  Alice                       Bonfim                       Glaydson

.: contato .

 famigerado@famigerado.com